Cruzeiro

De Odivelas para o Mundo

Faixa Atual

Título

Artista


EFEMÉRIDES: 15 DE JANEIRO – HÁ 33 ANOS O TEATRO FICOU MAIS POBRE. MORREU CÉSAR OLIVEIRA

Escrito por em Janeiro 15, 2019

EFEMÉRIDES

15 de janeiro

Feriado Municipal em Santa Cruz, onde se celebra o culto a Santo Amaro.

1911 – Saiu o primeiro número do jornal “República”, fundado por António José de Almeida

1929 – Durante a I República foi reconduzido o governo de Sá Cardoso, dominado pela ala radical do Partido Democrático.

1962 – Portugal abandonou a Assembleia Geral da ONU por, no debate sobre Angola, ter sido posta em causa a política de Oliveira Salazar.

1974 – António de Spínola tomou posse como vice-chefe do Estado Maior das Forças Armadas.

1975 – Foram assinados os Acordos do Alvor, no Algarve, entre o Estado português e os três movimentos de libertação de Angola, o MPLA, a FNLA e a UNITA.

1986 – Morreu César de Oliveira. Contava 60 anos à altura da sua morte e nas décadas de 1960 e 1970 tornou-se num dos nomes grandes do Teatro de Revista, no Parque Mayer, assinando a autoria de revistas como O Zé Faz Tudo em 1971, Saídas da Casca em 1972 e Aldeia da Roupa Suja em1975. Nas suas obras brilharam atores como Eugénio Salvador, Camilo de Oliveira ou Ivone Silva. Em 1964 recebeu o Prémio Bordalo na categoria “Teatro de Revista” e é da sua autoria a letra canção popular “Cheira Bem, Cheira a Lisboa”. Na televisão criou a rábula cómica “Senhor Feliz e Senhor Contente” e os programas humorísticos  Ivone, a Faz Tudo e Sába Dá Bádu.

1992 – Foi anunciada a partida de Lisboa do barco Lusitânia Expresso, com destino a Dili, onde não foi autorizado a atracar pelas forças de ocupação indonésias. Foi uma iniciativa da equipa da revista Fórum Estudante, com o objectivo de sensibilizar a opinião pública internacional para a causa de Timor, que contou com o apoio de várias figuras públicas, nomeadamente o ex-presidente da República de Portugal, General Ramalho Eanes e mobilizou 120 estudantes, de 23 países, que partiram de Portugal com o objectivo de colocar uma coroa de flores no local do massacre, e, assim atrair a atenção dos jornalistas para a temática da opressão do povo de Timor – Leste. Sobrevoado por aviões militares indonésios, interceptado à entrada das águas territoriais de Timor- Leste, por quatro navios de guerra indonésio e após lançar flores ao mar, em memória dos mortos de Timor-Leste, o Lusitânia Expresso foi obrigado a regressar a Portugal.

1993 – Morreu em Lisboa, com 68 anos, o jornalista Carlos Pinhão. Foi diretor de “A Bola”

1994 – Foi inaugurado, em Lisboa, o Monumento aos Combatentes do Ultramar .

2003 – António Vitorino foi distinguido com o Prémio de Convivência Professor Manuel Proseta, pela defesa dos valores da liberdade, justiça e pluralismo.

2004 – O governo português propôs aumentos salariais de 2% para os trabalhadores da função pública, a par do congelamento dos salários superiores a 1.000 euros.

2007 – A primeira vacina contra o cancro do colo do útero foi posta à venda em Portugal.

2008 – O cineasta Manuel de Oliveira recebeu o grau de doutor Honoris Causa na Universidade do Algarve.

2016 – Seis pessoas tiveram de ser hospitalizadas em estado grave, depois de participarem num ensaio clínico para testar um novo medicamento do laboratório português Bial.

2017 – Pedro Passos Coelho convidou José Eduardo Moniz a encabeçar a lista do PSD à Câmara Municipal de Lisboa, um convite que seria declinado.

2018 – Morreu subitamente, aos 46 anos, a cantora Dolores O’Riordan, vocalista da banda irlandesa The Cranberries, uma das vozes mais caterísticas das últimas décadas, inconfundível em clássicos como “Zombie”, “Dreams” ou “Linger”. A artista participava numa sessão de gravação, após ter recentemente superado problemas de saúde, que obrigaram a banda a ter cancelado um tour mundial em 2017.

……………………..

Este é o décimo quinto dia do ano. Faltam 351 dias para o termo de 2019.

Pensamento do dia: “Andamos e não chegamos. O andar é tudo, princípio e fim”. Teixeira de Pascoaes (1877-1952), escritor português.

                        César Oliveira, figura fundamental no Teatro de revista nos anos 60

 

 

Marcado como