Cruzeiro

De Odivelas para o Mundo

Faixa Atual

Título

Artista


Detidos ativistas dos direitos das mulheres na Arábia Saudita

Escrito por em Maio 19, 2018

Sete ativistas dos direitos das mulheres na Arábia Saudita foram detidos por “atentado à segurança e à estabilidade do reino”, anunciaram hoje as autoridades, sem divulgar a identidade dos detidos.

Segundo a organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW), sete ativistas estão detidos desde terça-feira.

O grupo de detidos integra três mulheres conhecidas pela luta contra a proibição de conduzir e a tutela masculina: Lujain al-Hathlul, Aziza al-Yussef e Emana al-Nafjan.

Está em curso “um inquérito para identificar todas as pessoas implicadas” e tomar as “medidas legais apropriadas”, disse um porta-voz dos serviços de segurança sauditas citado pela agência oficial SPA.

O porta-voz acusou as pessoas detidas de terem mantido “contactos suspeitos com partes estrangeiras”, dado apoio financeiro a “elementos hostis no estrangeiro” e recrutado funcionários.

A Arábia Saudita, único país do mundo que proíbe as mulheres de conduzir, comprometeu-se a aplicar reformas para permitir uma maior participação das mulheres na vida económica e social.

Em setembro de 2017, o governo do príncipe herdeiro Mohammed Bin Salman anunciou que as mulheres vão ser autorizadas a conduzir e marcou para 24 de junho de 2018 o levantamento da proibição.

Nenhuma medida foi, no entanto, anunciada em relação ao sistema de tutela masculina, ao abrigo do qual a mulher precisa da autorização de um membro masculino da família para estudar, viajar ou exercer determinadas profissões.

Ativistas disseram à HRW que, após a decisão de levantar a proibição de conduzir, a justiça pediu a “destacados ativistas” que não falassem à imprensa.

Sarah Leah Whitson, responsável da organização para o Médio Oriente, frisou que, apesar dos anúncios de reformas, “os verdadeiros reformadores sauditas que ousam defender publicamente os direitos humanos e a emancipação das mulheres” continuam a viver num “clima de medo”.